Dicas da Boa Vista para ensinar a criança a poupar

Quando a criança começa a entender o valor do dinheiro é preciso que os pais transmitam algumas noções de economia, visando formar adultos que saibam lidar com as finanças conscientemente

04 de outubro de 2019 – O hábito de poupar tem de ser construído na criança a partir do momento em que ela passa a entender o valor do dinheiro e cabe aos pais estimularem as reflexões sobre o valor das coisas e do trabalho. Ao fazerem exercícios com os pequenos sobre como lidar com o dinheiro, os pais ajudam na formação de futuros adultos que saberão como manter a vida financeira equilibrada.

Por isso, confira algumas dicas da Boa Vista para começar a ensinar estas lições aos filhos, aproveitando a semana do Dia das Crianças:

Abordagem divertida
Os pais ou responsáveis devem usar formas divertidas de falar com as crianças sobre dinheiro e poupança. Uma boa opção é contar fábulas infantis, como “A Cigarra e a Formiga”, para explicar o quanto é importante ter uma reserva financeira para os momentos mais difíceis.

Presentear os pequenos com um cofrinho para guardar o dinheiro é uma boa dica. Os transparentes são mais interessantes, porque permitem que a criança visualize quanto já tem de dinheiro guardado.

De onde vem o dinheiro
As crianças não têm noção de onde vem o dinheiro. Para eles, basta passar o cartão ou pedir algo por um aplicativo e tudo está resolvido. Por isso, quando a criança começa a ter ideia do valor do dinheiro, é preciso explicar que os pais recebem um salário todo mês porque trabalharam por isso.

Objetivo de poupança
Poupar para um objetivo específico é mais estimulante do que poupar simplesmente para um dia que precisar. Então, os pais podem definir junto à criança qual será o objetivo da poupança, fazendo um cálculo de quanto precisará guardar e quanto tempo levará para ter o valor que possibilitará a compra do que deseja.

Se a criança tem mais de um desejo, é válido ter um cofrinho para cada sonho a ser realizado. Os pais podem ir marcando com ela, mês a mês, quanto tempo e quanto dinheiro ela ainda precisa colocar ali para comprar o que deseja.

Contar o dinheiro periodicamente mostra aos pequenos o quanto eles estão se esforçando para economizarem.

O que fazer com a mesada
Se os pais têm condições de oferecer uma mesada ao filho, é preciso definir com a criança o valor que ela receberá por semana ou mês e o que ela fará com aquele dinheiro. Esse planejamento ajuda a criança a se tornar financeiramente responsável.

Caro e barato
Um dos conceitos a ser ensinado às crianças é sobre o preço das coisas. Elas devem entender que mesmo produto pode ter preços diferentes. Se ela pesquisar, poderá fazer uma compra gastando menos dinheiro e, com isso, além de ter o que deseja, poderá guardar o que sobrou.

Ainda, o pequeno aprenderá que comprar por impulso não irá fazer bem ao seu bolso e dará mais valor ao que comprou.

O exemplo da família
Pouco adianta passar noções de poupança e educação financeira aos filhos se os pais compram tudo o que veem pela frente. Lembre-se que as crianças seguem o exemplo dos pais, portanto é preciso mostrar à criança que os pais também fazem seu dever de cada em relação às finanças.

Cartilha de Educação Financeira para crianças
Para auxiliar os pais na missão de ensinar às crianças a importância da poupança, a Boa Vista oferece, de maneira gratuita, uma cartilha de Educação Financeira infantil em seu site www.consumidorpositivo.com.br, com a qual a criança aprende, de maneira lúdica e divertida, diversas lições de economia.

SOBRE A BOA VISTA

A Boa Vista é uma empresa brasileira que alia inteligência analítica à alta tecnologia para transformar os dados dos seus clientes em soluções para os desafios de empresas e consumidores.

Criada há mais de 60 anos como SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), tem contribuído significativamente para o desenvolvimento da atividade de crédito no Brasil, ajudando o País a estabelecer uma relação de consumo mais equilibrada entre empresas e consumidores.

A Boa Vista é precursora do Cadastro Positivo, banco de dados com informações sobre o histórico de pagamentos, que deixa a análise de crédito mais justa e acessível. Por isso, Cadastro Positivo é na Boa Vista.

Pioneira também em serviços ao consumidor, a Boa Vista responde por iniciativas que cooperam com a sustentabilidade econômica dos brasileiros, como a consulta do CPF com score, dicas de educação financeira e parcerias para negociação de dívidas. Tudo disponível de forma simples, rápida e segura no site www.consumidorpositivo.com.br

Atualmente a Boa Vista é referência no apoio à tomada de decisão em todas as fases do ciclo de negócios: prospecção, aquisição, gestão de carteiras e recuperação.

Tudo o que você precisa saber sobre o Cadastro Positivo

O Cadastro Positivo é o banco de dados com informações de pagamento dos compromissos financeiros e pagamentos relativos às operações de crédito e aos serviços continuados dos consumidores (pessoa física ou jurídica). Ou seja, o Cadastro Positivo funciona como uma espécie de currículo com um histórico de dívidas adimplidas, sejam de serviços como água, energia elétrica, internet, telefonia, sejam referentes a crediário, empréstimo, financiamento, compensação de cheques e outros. Nele não entram detalhes sobre movimentações bancárias, Imposto de Renda ou patrimoniais. Pessoas que estão inadimplentes também podem ter suas informações de adimplemento registradas no Cadastro Positivo. Regulamentado pela Lei Federal nº 12.414/2011, o Cadastro Positivo poderá beneficiar consumidores e empresas com melhores informações para a relação comercial.

Quem será incluído no Cadastro Positivo?

Todo o consumidor que tiver CPF ou empresa com CNPJ e que tenha informações de adimplemento de compromissos financeiros, de pagamentos relativos às operações de crédito e de serviços continuados fará parte automaticamente dessa lista de bons pagadores.

O que muda?

Até a aprovação da nova Lei, os bancos de dados continham apenas informações de dívidas não quitadas pelos consumidores – Cadastro Negativo. Com o Cadastro Positivo será possível consultar valores de pagamentos, valores de parcelas, datas de vencimento e datas de pagamento, referentes a Cartões de Crédito, Crédito Pessoal, Financiamento de Veículos, Cheque Especial, Financiamento Imobiliário, CDC Varejo, *Private Label Varejo, Utilidades e Telecom. *Crediário Próprio.

Quem participa?

Gestor de banco de dados: empresa responsável pela administração do banco de dados;

Fonte: quem concede crédito, venda a prazo ou realiza outras transações comerciais e empresariais que impliquem em análise de risco financeiro;

Consulente: é a pessoa natural ou jurídica que consulta as informações contidas no banco de dados;

Cadastrado: é o consumidor, pessoa natural ou jurídica, cujas informações serão incluídas no banco de dados de cadastro positivo.

Qual a responsabilidade de cada participante?

Gestor de banco de dados: administra o banco de dados, realiza a coleta, o armazenamento, a análise aos dados armazenados; encerra ou reabre o cadastro, conforme solicitado pelo cadastrado; fornece informações ao cadastrado; disponibiliza aos consulentes a nota ou pontuação de crédito elaborada com base nas informações de adimplemento armazenadas; apresenta o histórico de crédito, mediante prévia autorização específica do cadastrado; comunica ao cadastrado da abertura do cadastro.

Fonte: fornece o endereço residencial, comercial, eletrônico para a comunicação com o cadastrado; fornece informações sobre o cadastrado a todos os gestores de bancos de dados que as solicitarem.

Consulente: acessa as informações apenas para as finalidades permitidas pela lei, bem como obtém e armazena a autorização específica do consumidor para a fonte consultar informações detalhadas do cadastrado.

Quais as vantagens para o consumidor?

O Cadastro Positivo, além de reunir um histórico de pagamentos do consumidor, propicia oportunidades de redução de taxas e juros para as pessoas que honram seus compromissos financeiros, e torna o acesso ao crédito mais fácil.

Incentiva o aumento na Aprovação e Efetivação do crédito;

Limites e parcelas mais adequadas;

Contribui para a redução da taxa de default e menores perdas.

Quais as vantagens para o empresário?

Aos empresários também é um facilitador, pois oferece elementos de forma mais assertiva para análises de concessão de crédito, empréstimos e financiamentos a longo prazo, ou outras transações comerciais e empresariais que impliquem em risco financeiro.

E se o consumidor não quiser participar do Cadastro Positivo?

É importante lembrar que qualquer pessoa pode pedir a exclusão de seus dados do cadastro, de forma gratuita.

Como funciona o Cadastro Positivo pelo mundo?

Além do Brasil, o Cadastro Positivo está sendo aplicado em países como Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Bélgica, México, Arábia Saudita, Egito e Itália, onde o sistema já possibilitou a redução das taxas de inadimplência, melhorando as condições para concessão do crédito. Com a maior disponibilidade de dados, a análise para concessão de crédito é mais assertiva pelas instituições financeiras, que tendem a reduzir os juros cobrados.

Veja algumas mudanças a partir da implementação do Cadastro Positivo em outros países:

Egito – Aumento de crédito (2008-2016): +136% no volume de crédito

Arábia Saudita – Com 58% de aumento das fontes que reportam dados (positivos + negativos) ao birô, em 5 anos (2011-2015): +25% de cartões de crédito ativos e +38% de limite

Itália – Onde a maior parte das empresas são PME (e sem relacionamento bancário) a utilização de comportamento de pagamento da conta de água: +83% do público elegível a crédito nos bancos.