Uma Vitrine Vendedora!


Uma vitrine vendedora não é apenas uma vitrine bonita, mas uma composição que gera curiosidade e instiga os consumidores a entrar na loja.

Vendedora por que? Porque é muito melhor ter o consumidor dentro da tua loja do que passeando do lado de fora! E tendo o possível cliente dentro da loja fica muito mais fácil de encantar com sus produtos e converter a visita em venda.

Breve a primavera está por aí… o que você vai fazer na sua fachada para se destacar dos concorrentes?

Juntos podemos criar estratégias para sua loja inovar e vender mais na próxima estação!

Leia mais sobre esse tema no link: http://bit.ly/vitrineSCxs

Educação Financeira: você sabe o que é e para que serve?

A Educação Financeira ajuda quem quer colocar as contas em dia e ter uma vida financeira mais saudável e sustentável

27 de abril de 2018 – Você sabe o que é Educação Financeira? Sabe para que serve? A área de serviços ao Consumidor da Boa Vista SCPC aproveita o Dia da Educação, comemorado neste sábado, dia 28 de abril, para abordar o tema Educação Financeira, conceito que ganhou mais relevância nas duas últimas décadas no país, período em que houve uma melhora da situação econômica em virtude de três principais determinantes: controle da inflação, aumento da bancarização e do crédito.

Como explica Pablo Nemirovsky, superintendente de Serviços ao Consumidor da Boa Vista, usualmente a palavra educação é associada ao ambiente escolar e acadêmico, mas é muito mais abrangente e se aplica também no âmbito social e familiar. A Educação Financeira propriamente, introduz conceitos financeiros e orienta as pessoas a aprimorar sua relação com o dinheiro, ajudando-as a usá-lo de forma mais responsável e consciente no curto, médio e longo prazo.

Pelo viés econômico, o economista da Boa Vista SCPC, Flávio Calife, explica que o controle da inflação, o aumento da bancarização e bem como do crédito associados, nas últimas duas décadas, permitiram ao brasileiro de renda média uma oportunidade de compreender melhor o conceito de planejamento financeiro, difundido pela Educação Financeira, e que consiste na prática em identificar a situação financeira atual, lançando receitas e despesas.

“Em Educação Financeira buscamos orientar as pessoas sobre a importância da gestão de suas finanças e de seu patrimônio, para que evitem problemas como superendividamento e inadimplência, principalmente em momentos de crise, já que infortúnios financeiros acontecem, mas com organização e planejamento esses contratempos podem ser minimizados e superados”, ressalta Nemirovsky.

Com o auxílio da Educação Financeira as pessoas aprendem a organizar as contas, a cortar gastos, e a poupar para concretizar projetos, sejam eles profissionais ou pessoais, que vão desde um curso, uma viagem, a compra de um carro ou um imóvel, até abrir seu próprio negócio. “O primeiro passo é colocar no papel ou em uma planilha no Excel, receitas e despesas, e assim identificar qual é a situação financeira”, detalha.

As crianças também podem ser estimuladas a refletir sobre o que é o dinheiro, para que possam crescer mais familiarizadas com este assunto. É comum ver adultos com dificuldade em gerenciar o salário e ou a conta bancária, por exemplo. E a Educação Financeira, quando introduzida desde cedo, contribui para que na vida adulta as pessoas saibam gerenciar melhor as finanças e evitem passar por essas situações

No portal Consumidor Positivo da Boa Vista há uma série de informações que ajudam o consumidor a se informar melhor sobre o tema e até mesmo a organizar as contas com o uso de uma planilha simples e de uma cartilha que dá dicas importantes para os consumidores. No portal também é possível fazer a consulta de CPF, para identificar débitos pendentes e consultar o score (pontuação de crédito). Informar que teve um documento roubado. Fazer a adesão ao Cadastro Positivo, e muito mais. E o melhor, todos esses serviços são de graça. Para utilizá-los acesse: www.consumidorpositivo.com.br.

SOBRE A BOA VISTA SCPC

A Boa Vista é uma empresa brasileira que alia inteligência analítica à alta tecnologia para transformar dados em soluções para os desafios de clientes e consumidores.

Criada há mais de 60 anos como SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), tem contribuído significativamente para o desenvolvimento da atividade de crédito no Brasil, ajudando o País a estabelecer uma relação de consumo mais equilibrada entre empresas e consumidores.

A Boa Vista é precursora do Cadastro Positivo, banco de dados com informações sobre o histórico de pagamentos, que deixa a análise de crédito mais justa e acessível.

Pioneira também em serviços ao consumidor, a Boa Vista responde por iniciativas que cooperam com a sustentabilidade econômica dos brasileiros, como a consulta do CPF com score, dicas de educação financeira e parcerias para negociação de dívidas. Tudo disponível de forma simples, rápida e segura no portal consumidorpositivo.com.br.

Atualmente é referência no apoio à tomada de decisão em todas as fases do clico de negócios: prospecção, aquisição, gestão de carteiras e recuperação.

Dados estão em toda parte. O que a Boa Vista faz é usar inteligência analítica para transformá-los em respostas e soluções às necessidades e desejos dos consumidores e empresas.

www.boavistascpc.com.br

Fonte: Boa Vista SCPC

O Marketing do Futuro

* Silvia Cardoso | Analista de Social Media | Elri.net

Vivemos em uma era digital, onde percebemos o excesso de conteúdos publicados todos os dias. São anúncios de empresas, notícias em jornais e revistas online, além da grande quantidade de publicações de nossos amigos e familiares.
O Marketing Digital tem como objetivo auxiliar sua empresa a destacar-se em meio a tantas informações. Quando falamos em Marketing Digital, podemos associa-lo a estratégias online que geram novas possibilidades de negócios, aumentam o reconhecimento da sua marca e criam um relacionamento com clientes e potenciais clientes. Existem diversas oportunidades e caminhos que sua empresa pode investir para que consiga alcançar esses objetivos, dentre os principais estão o SEO, Inbound Marketing e o Marketing de Conteúdo.
SEO (Search Engine Otimization) significa “otimização para mecanismos de busca”, isto é, diversas técnicas que aperfeiçoam seu site, e-commerce ou blog, auxiliando a sua marca alcançar maior número de tráfego de forma orgânica. O Inbound Marketing é um conjunto de estratégias que visam atrair os olhares para sua empresa por meio de conteúdos relevantes ao público alvo. A partir da captação do interesse do público, as chances de venda efetiva aumentam consideravelmente e podemos seguir para as estratégias de Marketing de Conteúdo. Esta etapa é onde engajamos o público, mostramos o valor da sua empresa e criamos uma identificação e percepção positiva da sua marca. Pesquisas revelam que os consumidores tendem a fazer negócios com marcas que conhecem e se identificam.
Essas estratégias podem ser aplicadas no Google, em seu site, blog ou ecommerce, através de e-mail marketing e principalmente com as redes sociais, Facebook e Instagram. Hoje as mídias sociais tem grande espaço na rotina dos consumidores, onde procuram produtos e serviços a todo o momento. O Facebook em 2018 se tornou o maior site de buscas, ultrapassando até mesmo o Google. Isso mostra a importância de sua empresa estar presente nas mídias digitais, comunicando de maneira correta e profissional.
Uma das grandes vantagens do Marketing Digital é a segmentação do público alvo. Com isso, é possível direcionar o seu conteúdo somente para os consumidores que realmente tem interesse em sua linha de produtos ou serviços, tornando sua comunicação mais assertiva e aumentando notavelmente as chances de vendas efetivas. Além de tudo, é uma das maneiras mais em conta para promover sua marca nos dias de hoje.

* Publicitária formada pelo Centro Universitário da Serra Gaúcha, atua na área da comunicação há quatro anos e exerce a função de Analista em Marketing Digital na agência Elri Net há dois anos.

Dicas de Eduardo Tevah para o Dia das Mães

O varejo vive um cenário de hipercompetição em que o cliente nunca teve tantas opções de compra, seja no varejo físico ou on-line. Desse modo, saber aproveitar as grandes datas promocionais consiste em uma ótima oportunidade de elevar suas vendas.
O Dia das Mães é considerado, de uma maneira geral, a segunda melhor data promocional do ano para quem atua nesse mercado, só perdendo para o natal. Eu, inclusive, conheço empresas em que o Dia das Mães é a melhor data do ano.
Vamos adiante: o mundo mudou em uma velocidade tão grande que não podemos mais imaginar que apenas colocando um adesivo em nossa vitrine com uma frase tradicional como “Dia das Mães é na ABC” as nossas vendas vão melhorar. O varejo é cada vez mais seletivo e não oferece mais chance para amadores, sendo ainda um grande negócio para pessoas que criam uma gestão profissional em sua empresa, não importando o tamanho dela. Abaixo apresenta de forma bem prática um conjunto de ações que, se implementadas, poderão fazer o Dia das Mães de 2018 ser um enorme sucesso. Adapte as sugestões à sua realidade, escolhendo quais das ferramentas abaixo se adequam ao seu tipo de negócio.

1. Layout interno e vitrinismo
Aqui não podemos nos restringir ao aspecto da vitrine, mas sim criar uma grande ambientação dentro da loja para estimular as compras. Use muitos displays, tenha ofertas de presentes com muito destaque dentro da loja. Muitas imagens de mães dentro da loja contribuem para o clima. Na vitrine, dê um show, contratando um especialista para fazer uma vitrine de alto impacto, aquela que faça as pessoas realmente pararem.

2. Estoques e ofertas
As empresas que mais vendem no Dia das Mães procuram mudar um pouco seu mix de produtos em relação ao normal e acabam criando três faixas diferentes, sem nunca fugir do público-alvo e do posicionamento mercadológico. Desse modo, temos o preço mais acessível para quem não quer investir muito num presente (público que cresce cada vez mais), o de preço médio e o de alto valor agregado para quem quer dar mais que uma simples lembrança. Essa é uma estratégia vitoriosa!

3. Condições de pagamento
Minha sugestão é simples: ofereça uma condição melhor para quem comprar mais. A ideia de uma condição progressiva de acordo com o valor ou número de peças compradas funciona muito bem. Você pode, por exemplo, fazer em três vezes sem entrada para quem compra até R$200,00 ou uma peça ou quatro vezes sem entrada para quem compra acima de R$200,00 ou mais de duas peças. Dessa maneira, você tem um gancho para que a sua equipe de vendas possa trabalhar para aumentar o volume das suas vendas.

4. Publicidade e redes sociais
Aqui vale lembrar que o maior desafio é levar o (a) cliente até a sua loja e hoje vejo que o caminho de melhor retorno e mais acessível passa pelas redes sociais, especialmente, Facebook e Instagram. No Facebook, ofertas que realmente chamem a atenção, abrindo um pouco da margem de ganho para gerar um tráfego maior. No Instagram, o predomínio absoluto de imagens de mães associado ao logo da empresa com ofertas. Usar promoções especiais via Whatsapp para os clientes funciona bem e pode gerar um efeito colateral extremamente positivo: pessoas virão aproveitar as ofertas para comprar para as mães delas. E pense também em dar um bônus para quem está comprando retornar nos próximos 30 dias e ter um desconto especial.

5. Motivação da equipe
Nada é mais decisivo para mim do que uma equipe treinada para os desafios para que realmente proporcionem um grande ganho financeiro se as metas forem atingidas. Aumente os seus prêmios para o Dia das Mães, transforme metas mensais em semanais e pense em criar uma meta diária para cada vendedor (a) nos últimos quatro dias, pois é aqui que se decide o jogo. Um (a) vendedor (a) focado em metas tem o poder de fazer acontecer coisas sensacionais!

Desejo muito sucesso para você e espero que você tenha gostado das dicas.

Eduardo Tevah
Facebook: Eduardo Tevah Oficial
Instagram: Eduardo Tevah

Tendências de Quem para Quem? Você entende o seu cliente?

Entender de fato seu cliente é saber que nem todos os estilos e produtos serão vendidos em sua loja.
A velha máxima do marketing, Classe A, B, C, Z ou idade há muito não valida mais perfis. Afinal, luxo é parcelável, a idade não identifica uma personalidade etc.
Por este motivo, a análise crítica é um grande passo para a escolha de mixassertiva. Se você, empresário, nunca pensou dessa forma, comece hoje.
Nem todos os estilos, nem todas as tendências, nem todas as marcas.
A análise feita é mais ou menos assim: a novela dita moda, sim, mas quem é a personagem? Ela identifica o perfil do negócio?
Quanto à merchandisação: novamente, ela deve se identificar com o tipo de cliente. Lojas mais descoladas, como Diesel, expõem seus jeans em ganchos, servidos por lavagens em expositores de lata. É a cara da sua loja? A Le Lis Blanc tem aroma de flores, alia objetos de decoração, maquiagem e roupas e “monta” o closet da sua cliente. Top Shop e Anthropologie contam miniestórias focadas nos momentos de vida da cliente descolada.
A Hemb Porto-alegrense atende o homem contemporâneo. A loja está cheia de espaços convidativos e de produtos que abraçam o cliente. Impossível não amar!
A nova ideia é vender roupas, acessórios, conceito, música, cheiro e objetos que tenham a ver com o público. Ambientado de forma que ela não queira sair mais. De nada adianta ter tudo para todos, achar bonito e diferente um método de para tudo. Foque e se especialize.

De nada adianta ter tudo para todos, achar bonito e diferente e expor um mix infinito, sem personalidade.

Foque e se especialize. Mudar araras, prateleiras, contando estórias coordenadas, possibilita a compra rápida e qualificada. Programar a merchandisação a partir da compra e não depois de tudo comprado, senão será impossível oferecer coleções. Você continuará oferecendo muito mix e pouca qualidade.
Quais são os produtos que fazem o seu diferencial. Esses não podem faltar. Depois cruze o básico com a moda sempre em cima do seu “assortment”.
Dê uma fugida ao mercado, avance as ideias. Fazer concorrência está em visitar novos mercados para “ abrir a mente” e achar soluções para o cliente que faz a sua loja acontecer.

Artigo escrito por Cristiane Ribas Machado – Diretora de Varejo da Ribas Rinaldi Consultoria

Resumo: A nova ideia é vender roupas, acessórios, conceito, música, cheiro e objetos que tenham a ver com seu público. Ambientado de forma que ela não queira sair mais. Foque e se especialize.

REFORMA RÁPIDA É POSSÍVEL!

by Cláudia Schmitt Barbosa

O prazo curto é sempre um fator decisivo na organização de uma obra de uma loja. O estabelecimento fechado não rende, não lucra e ainda gera apreensão na equipe de vendas.
Porém, com uma organização afinada, pode-se revitalizar uma loja em curto prazo. O importante é fazer um projeto detalhado com uma equipe experiente que irá definir cuidadosamente o que deverá ser mudado, sempre pensando em melhorar o ambiente e valorizar as mercadorias. Após isso, é deixar tudo pronto aguardando a data de instalação e pronto.
Uma loja pequena, como esta do vídeo, conseguimos reformar em apenas 7 dias – Assista o vídeo e confira!

Estilos de vida, novos “seguidores”, moda e conceitos. Varejo: esteja presente!

Artigo por: Cristiane Ribas Machado – Diretora de Varejo da Ribas Rinald Consultoria

 

A evolução dos estilos é uma das coisas que mais me fascinam no estudo do comportamento do consumidor.
A característica de cada pessoa, invadindo o seu jeito de escolher, de comprar, de atualizar-se, de inovar. Até mesmo os ditos mais conservadores estão dispostos a avaliar suas escolhas diárias. Nada declarado, obviamente.

Nós, consumidores, nos deparamos constantemente com novos desejos, novos opções de produtos e serviços. Sem nos darmos conta vamos modificando, desejando, consumindo.
O comércio varejista, de todos os segmentos, deve fazer esta leitura e rapidamente lançar novas possibilidades, novos conceitos de produtos e ações comerciais para tirar os seus “seguidores” da linha de conforto e fazê-los consumir!
Há quanto tempo, por exemplo, o estilo esportivo invadiu a moda, do mais clássico ao mais lançador de conceitos , este mix invade as passarelas, vitrines e escolhas, sem precedentes.
Neste último fim de semana, o showbusiness mundial foi invadido pelo show mega produção de Justin Timberlake, no Super Bowl, e ali, mais uma vez, quem ataca?
Moda e consumo. Não estou aqui avaliando o show e a performance, mas sim despertando o olhar atento dos varejistas e seus conceitos.

 

Stella McCartney, estilista queridinha dos descolados, desenhou, exclusivamente, para o show e arrasou! Pergunto: ela vendeu ou avançou ainda mais a sua imagem? Respondo: os dois!
Muitas vezes, essas decisões levar a estar presente. O poder da imagem desperta desejos de consumo ainda mais atraentes!

 

 

Ah, mais uma coisa: ”Dona” Nike, esta sim arrasou neste show… O tênis usado por Justin, criação de um de seus designers Tinker Hatfield, esgotou em cinco minutos no site da marca. Ainda há similares por cerca de 1.600 euros em alguns sites.
Presença, estilo, agilidade, novidade, ação! Assim se conquista seguidores, palavra muito maior do que clientes ativos, que acham?

Quatro temas para ver, aprender e copiar na NRF 2018 em Nova Iorque

Jornal do Comércio | Patrícia Comunello

Realidade aumentada, telas onde cliente interage (foto) e leitura facial estão em pauta NRF/DIVULGAÇÃO/2018 – Jornal do Comércio

A NRF2018 é considerada o maior evento de varejo do mundo. Os organizadores da missão gaúcha de empresários e entidades como Sebrae-RS e Sindilojas Porto Alegre listaram os temas que vão dominar o evento e que já estão no visor de varejistas e da indústria que está por trás de muitas soluções. São quatro tópicos que devem canalizar a atenção de empresários e gestores. O gerente de indústria e comércio do Sebrae-RS, Fábio Krieger, listou os assuntos experiência do consumidor no ponto de venda, integração on-line e off-line, parcerias estratégicas e ambiente físico da loja ou serviço.

Fique por dentro de cada um:

1. Experiência: cada vez vai se ver e se usar mais recursos de realidade aumentada, reconhecimento facial que capta e processa informações do consumidor dentro do ponto e formas de fazer a personalização das entregas de acordo com o tipo de cliente. Lugar de maior inovação, que mexerá na cultura da interação, ambientes multitelas que vão se conectar com o celular ou outro dispositivo em poder do consumidor para atendê-lo ou guiá-lo nas suas escolhas.

2. Integração on-line e off-line: o e-commerce cresce cada vez mais e impõe que os negócios integrem os dois mundos e saibam como aproveitar o que cada canal oferece para ampliar vendas econhecer mais o cliente.

3. Parcerias estratégicas: a loja não é mais uma só, é multimarcas – de negócio. O varejo proprietário abre espaço para outros segmentos, tudo no mesmo espaço físico. O efeito é somar e ampliar a atratividade para os clientes. Exemplo: um salão de beleza que vende cervejas e celulares.

4. Ambiente físico: loja com fluxo de disposição de produtos e mobiliária que se ajusta ao perfil dos clientes. Mobilidade para adaptar layouts é a palavra aqui. Krieger admite que muitas das inovações estão ainda distantes da realidade dos negócios brasileiros. “É tendência, não significa que é para todos”, previne o gerente do Sebrae-RS. “Mas quem for conhecer pode se inspirar nas soluções sim”, provoca Krieger. Exemplos com pegada mais high-tech, como os tópicos ligadas à eperiência, exigem disponibilidade de soluções, sistemas, estrutura e serviços de comunicação – como a simples conexão a redes de telefonia e dados com eficiência e preço acessível.

E o Brasil ainda tem muito a melhorar. Agora um assunto que está em meio aos quatro tópicos é a gestão de pessoas. Como ter recursos humanos que ajudem a alavancar o negócio é um desafio não só para empresas gaúchas, mas em todo o lugar. O gerente do Sebrae-RS diz que pesquisa da NRF divulgada na edição de 2017 apontou que as empresas que valorizam os funcionários, antes mesmo de pensar nos clientes, conseguem alcançar mais resultados e mais rapidamente. E não é só com bom salário ou outras formas de remuneração que se faz isso. Este aspecto pesa, mas Krieger elenca que as marcas que estão fazendo bem isso conseguiram êxito melhorando o relacionamento e o ambiente onde as pessoas trabalham. “No Brasil, é muito comum a gente ouvir que o empresário não vai investir no funcionário, pois ele fica pouco tempo. E quando ficava mais tempo não investia. Estamos vendo algumas mudanças, com iniciativas para ter pessoas mais motivadas”, pontua o gestor.

A moda por um fio: “fios de uva”

Artigo por: Cristiane Ribas Machado – Diretora de Varejo da Ribas Rinaldi Consultoria e Treinamento

A moda sustentável está cada vez mais perto de nós consumidores comuns! Vide as grandes empresas do varejo internacional, do luxo ao fast fashion, que estão super atentas e preocupadas com o ciclo natural de suas coleções. Com foco definido no lifestyle de seus clientes, não apenas prometem, mas cumprem em tornar o ciclo produtivo menos poluente, mais sustentável!
As ações são várias e não param. Não voltam atrás.

A exemplo disso, a H&M – rede sueca de fast fashion, com mais de 3 mil lojas (Sim! Eu disse 3 MIL lojas espalhadas pelo mundo), há algum tempo coloca à disposição dos clientes, em suas Flagships, coletores de roupas sem uso, com boa, péssima ou má qualidade, incentivando consumidores a fazerem parte do processo produtivo, transformando essas peças em fios para fabricação de novas coleções. LINDO, hein?!!!

A Campanha intitula-se: “Bring it On”; inspirem-se com o vídeo!

No Brasil, a RENNER começa a comercializar coleções eco e promete aumentar cada vez mais produtos ecofriendly em suas coleções.
Além de atingir novos consumidores conscientes, as empresas estão preocupadas em “reorganizar” sua parte no planeta. “BOA SORTE!”
Negócios e benfeitorias à parte, em Milão, na Itália, a VEGEA ganhou um dos prêmios mais importantes de INOVAÇÃO, do MUNDO. Usou na produção de um novo material, denominado couro vegetal, cascas de uva, talos e sementes extraídas da fabricação do vinho.
O material é produzido sem usar uma gota de petróleo, sem o uso de substâncias poluentes, sem consumo de água e sem uso animal. A ideia super original foi de Gianpiero Tessitore, fundador da Vegea Ltda. 

Bolsas da Coleção da VEGEA! LUXO PURO!!!

A matéria-prima, nem preciso dizer, é altamente escalonável, sendo assim, quem sabe, num futuro próximo, a fibra ou o processo produtivo fica acessível a todos os bolsos? Vamos torcer. A coleção está incrível!
Curte aí o vídeo de lançamento. 

 

 

Como transformar pequenas lojas em pontos de experiência?

*Cláudia Schmitt Barbosa
 

Muito se tem falado em lojas como pontos de experiências (PDX) e que o ponto de venda (PDV) tradicional morreu. A loja deve se transformar e não ser mais do que apenas um lugar para comprar produtos, trabalhando as percepções, sentimentos e expectativas do consumidor durante e após o consumo.

Mas para os pequenos lojistas, muitas vezes, é difícil se posicionar e entender o que isso quer dizer e, acima de tudo, como aplicar.

Afinal, como podemos transformar pequenas lojas em pontos de experiências?

Primeiramente, temos que estabelecer quem queremos encantar. Definir quem é o nosso público- alvo, mapeando hábitos, necessidades e, criativamente, prever onde podemos encantar e envolver. Às vezes, essa experiência está em pequenos gestos, gentilezas, como um bilhete de agradecimento colocado junto à compra, que surpreende o cliente.

Rede de lojas Bonneterie – focado no cliente em cada detalhe do espaço da loja e da atenção do lojista.

Após definir nosso alvo, temos que focar na nossa própria identidade, pois o negócio não pode ser mais do mesmo. Temos que nos diferenciar para o consumidor escolher a nossa loja e não a do vizinho, pois, muitas vezes, os produtos são os mesmos, e o diferencial tem que estar no nosso espaço físico.

As cores, matérias e estilo do espaço ajudam a definir a nossa imagem, a nossa marca e a traduzir a identidade do nosso negócio. O ambiente da loja tem que ser envolvente para que o consumidor permaneça mais tempo e se sinta à vontade para testar e experimentar os produtos. A arquitetura da loja tem que favorecer essa degustação, oferecendo uma boa exposição, valorizando produtos, evidenciando itens em destaque e tendo uma ambientação envolvente. Para completar, é fundamental ter vendedores capacitados para responder dúvidas e questionamentos efetivando as compras de uma maneira sutil, transformando o consumidor em cliente, engajado em divulgar a tua marca.

Nessa hora, devemos tirar partido de sensações únicas do ser humano, como sons, aromas, tato e visão, pois essas características são prazerosas para os consumidores e deixam suas marcas de forma única.

Rede de lojas Basic Store Kids – identidade forte com elementos de arquitetura salientados, como layout, cor e decoração.

Por fim, é fundamental ser criativo e testar o inusitado. Não fique preso aos modelos existentes. O espaço físico da loja deve ser mutante para abrigar novas atividades e ações, estreitando laços e fidelizando os clientes.